Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

AUSTRÁLIA: PESCADOR ALERTA PARA DERRAME DE PETRÓLEO NA GRANDE BARREIRA DE CORAL

Mäyjo, 11.01.17

barreira_SAPO

Um pescador alertou as autoridades, para um possível derrame de petróleo na Grande Barreira de Coral, a norte de Queensland, Austrália. Segundo a imprensa daquele país, as autoridades costeiras começaram imediatamente a monitorizar a zona.

 

O derrame teria cerca de 20 quilómetros de comprimentos e o alerta foi dado perto de Cape Upstart, a sul de Townsville, avança o Brisbane Times.

Ainda segundo o jornal australiano, a Maritime Safety Queensland, que patrulha as águas daquela região, recolheu resíduos de petróleo do barco onde se encontrava o pescador. Novas buscas, desta vez marítimas, estão previstas para as próximas horas.

“A MSQ entrevistou o proprietário do barco de pesca que fez a denúncia e pôde confirmar a presença de resíduos de petróleo no casco”, avançou a autoridade marítima em comunicado. “Estamos a investigar, mas até agora não podemos confirmar a presença de qualquer resíduo de petróleo”.

O pior derrame de petróleo de Queensland ocorreu em Março de 2009, quando 60 quilómetros de área costeira ficaram cobertos por petróleo vindo do MV Adventurer, que perdeu 100.000 litros de combustível no acidente. Toda a região foi declarada “zona de desastre” e a limpeza decorreu durante 16 meses, tendo sido efetuada por 1.425 pessoas e custado mais de €3,6 milhões.

Foto: eutrophication&hypoxia / Creative Commons

LONDRES: SÓ NOS PRIMEIROS CINCO DIAS DO ANO, CIDADE EXCEDE LIMITES DE POLUIÇÃO PARA 2017

Mäyjo, 11.01.17

londres

Só nos primeiros cinco dias de 2017, a capital inglesa ultrapassou o limite máximo de contaminação ambiental definido pela União Europeia.

 

Os dados divulgados recentemente indicam que o limite estipulado pela legislação europeia exige que a concentração máxima de dióxido de nitrogénio (NO2) no ar não exceda os 200 microgramas por metro cúbico mais de 18 vezes ao longo de um ano em qualquer área da cidade. Ora, apenas na primeira semana do ano Londres, em especial no bairro de Lambeth, os níveis de concentração de NO2 tinham já ultrapassado esta meta.

O estudo realizado pela King’s College, mostra que também no bairro de Putney, sudoeste da cidade, as normas ambientais definidas pela União Europeia não estavam a ser cumprida, pela elevada contaminação de NO2, substância que provoca problemas graves de coração e pulmões.

Para combater esta situação, responsáveis pela autarquia londrina anunciaram que em breve serão instaladas dez zonas de autocarros de baixas emissões, com o objectivo de melhorar a qualidade do ar nas áreas mais problemáticas da cidade. Com a introdução desta medida adicional, espera-se que os níveis de NO2 pela cidade diminuam cerca de 84%.

Para o futuro, os responsáveis políticos da cidade falam em mudanças profundas na cidade, tal como a criação de uma zoa de emissões ultra-baixas (ULEZ). Neste local os meios de transporte terão sujeitos a rigorosas medidas para controlar as emissões de poluentes, tais como pagar uma outra taxa diária.

Foto: David Fernandez Vergara / via Creative Commons